Ourém

 

Localização

ouremO município de Ourém reúne treze freguesias da sub-região do Médio Tejo (NUTS III), região Centro (NUTS II), com uma população residente de 45.932 oureenses. A sua área territorial de 416,6 km2 é limitada a sudoeste pelo maciço calcário estremenho, composto pelas serras de Aire e Candeeiros.

A nível concelhio é demarcado por Pombal (norte e noroeste), Alvaiázere (nordeste), Ferreira do Zêzere e Tomar (este), Torres Novas (sudeste), Alcanena (sul), Batalha (sudoeste) e Leiria (oeste e noroeste).

Sede do município (coordenadas GPS, WGS84 Datum)

    • DDD (graus decimais): 39.6581, -8.5788
    • DMM (graus e minutos decimais): 39º39.4805', -8º34.7238'
    • DMS (graus, minutos e segundos): 39º39'28.8760'', -8º34'43.3234''

História

Os primeiros registos de vida animal no território que presentemente constitui Ourém pertencem ao foro da paleontologia e são constituídos por pegadas de dinossáurios saurópodes conservadas em laje calcária. Este registo fóssil está localizado no extremo oriental da Serra de Aire e foi o primeiro a receber a classificação de Monumento Natural, em 1996. No ano seguinte foi aberto ao público como Monumento das Pegadas dos Dinossáurios de Ourém e Torres Novas.

A presença humana é muito anterior aos domínios portugueses. O povoado do Agroal (Formigais), bem como as grutas da Lapa dos Furos (Formigais) e do Casal do Papagaio (Fátima), comprovam a ocupação da região desde o Paleolítico. Alguns destes sítios arqueológicos contêm vestígios das épocas históricas sucedâneas, nomeadamente do período romano, durante o qual surgiram as “villae” de Sandoeira (Rio de Couros) e de Coinas (Atouguia).

Na época da reconquista cristã, mais propriamente no ano de 1136, D. Afonso Henriques expulsou os exércitos árabes das terras de “Abdegas” e conquistou o castelo mouro de Auren, cujo nome influenciou a toponímia do concelho. As referências a “Portus de Auren” surgem em diversos documentos desse século até à atribuição da designação “Auren” no foral outorgado pela Infanta D. Teresa em 1180, que dois anos antes recebera o senhorio da região como oferta do pai, D. Afonso Henriques. O foral seria confirmado mais tarde, em 1217, por D. Afonso II a partir de Coimbra.

A doação da vila a D. João Afonso Telo de Menezes por D. Fernando I durante o seu reinado (1367-1383) implicou a criação do condado de Ourém. O título de Conde de Ourém existiu até ao início do século XX, altura em D. Luís Filipe, Príncipe Real de Portugal e 24º Conde de Ourém, foi assassinado no regicídio do seu pai, o rei D. Carlos I.

Outras figuras influentes do reino, como D. Nuno Álvares Pereira (Santo Condestável) e D. Afonso de Bragança foram o terceiro e quarto detentores deste título, respetivamente. Ao quarto conde, D. Afonso, primogénito da Casa de Bragança e Marquês de Valença, se deve a fundação da Colegiada de Nossa Senhora das Misericórdias de Ourém (1445) e a edificação do Paço dos Condes de Ourém no castelo para instalação da sua corte. O castelo de Ourém sofreu obras significativas de melhoramento nessa época, tendo sido classificado como Monumento Nacional em 1910.

Nos séculos seguintes a região recebeu dois novos forais, o primeiro atribuído por D. Manuel I em 1515 e o segundo assinado por D. Pedro II no ano de 1695.

No ano de 1841 a sede do concelho foi transferida para a recente localidade de Santa Cruz, situada no vale, que recebeu a denominação “Vila Nova de Ourém”. Esta alteração deveu-se, sobretudo, à degradação das infraestruturas provocada pelo terramoto de 1755 e pelas tropas do general Massena durante as Invasões Francesas (1810). A pequena vila seria elevada a cidade a 20 de Junho de 1991.

O século XX revestiu a região com um profundo caráter religioso devido à aparição da Senhora do Rosário na Cova da Iria (Fátima) a três pequenos pastores, no dia 13 de Maio de 1917. O fortalecimento da crença potenciou a construção do Santuário de Fátima, um dos espaços com maior valor espiritual na devoção mariana a nível mundial, começando com a Capelinha das Aparições em 1919, seguida pela Basílica de Nossa Senhora do Rosário (1928) e, mais recentemente, a Basílica da Santíssima Trindade (2007).

Freguesias

A cidade de Ourém é sede deste concelho constituído pelas freguesias de Alburitel, Atouguia, Caxarias, Espite, Fátima, Nossa Senhora da Piedade, Nossa Senhora das Misericórdias, Seiça, União das Freguesias de Freixianda, Ribeira do Fárrio e Formigais, União das Freguesias de Gondemaria e Olival, União das Freguesias de Matas e Cercal, União das Freguesias de Rio de Couros e Casal dos Bernardos e, por fim, Urqueira. O município integra uma segunda cidade (Fátima) e quatro vilas (Caixarias, Freixianda, Olival e Vilar dos Prazeres).

A população das treze freguesias é maioritariamente adulta, com idades entre os 25 e os 64 anos, concentrando-se um quarto da mesma na freguesia de Fátima, a maior em número de habitantes e área geográfica (mais de 70 km2). No extremo oposto encontram-se as freguesias de Alburitel e Espite, a mais pequena e a menos populosa do concelho, respetivamente. Ao nível de densidade, os valores populacionais apresentam maior disparidade entre as freguesias de Nossa Senhora da Piedade e Urqueira, oscilando entre os 350 e os 50 habitantes por km2.

Áreas de Especialização

O concelho caracteriza-se por uma especialização produtiva nas indústrias da madeira (extração e transformação, fabrico de mobiliário e papel) e dos materiais de construção (construção civil), a par do comércio, alojamento e restauração.

As sociedades e empresas sedeadas em Ourém superam os 20% do total registado no Médio Tejo e apresentam uma tendência para os serviços relacionados com o comércio por grosso e a retalho, a construção e as indústrias transformadoras. Esta propensão reflete-se num mercado de trabalho em que quase dois terços estão empregados no setor terciário e um terço se encontra ligado ao setor secundário. O setor primário tem pouca expressão, com menos de 1,5% da população empregada, contrastando com o número de explorações agrícolas, que representam mais de 17% da região.

Pontos de Interesse Turístico

Ourém é um concelho que convida a...

CULTURA

    • admirar as exposições da Galeria Municipal no centro histórico, da Casa do Administrador e da Sede, os três núcleos do Museu Municipal
    • aplaudir um concerto no auditório do Conservatório de Música (antigo Seminário Monfortino)
    • meter a leitura em dia na Biblioteca Municipal
    • assistir a uma peça de teatro ou uma sessão de cinema no Cineteatro Municipal

    • acender uma vela no Santuário de Fátima e atravessar o recinto entre a Basílica de Nossa Senhora do Rosário, a Capelinha das Aparições e a Igreja da Santíssima Trindade
    • apreciar obras universais da arte sacrossanta no Museu de Arte Sacra e Etnologia de Fátima
    • vivenciar o culto mariano nos locais das aparições de Fátima (Loca do Anjo, Valinhos e Poço dos Pastorinhos), nas casas-berço dos videntes (Francisco, Jacinta e Lúcia) e nas reconstituições dos museus da Cera, das Aparições e do Milagre de Fátima
    • encontrar paz de espírito num dos quatro Caminhos de Fátima (Tejo, Mar, Norte e Nazaré)
    • surpreender-se com os mais de trinta cenários que integram o Museu da Vida de Cristo
    • observar os pormenores esculpidos na cripta e túmulo de D. Afonso, Marquês de Valença e conde de Ourém, na igreja da Colegiada/Matriz de Ourém

HISTÓRIA

    • seguir os trilhos jurássicos dos saurópodes no Monumento Natural das Pegadas dos Dinossáurios de Ourém e Torres Novas
    • entrar na Vila Antiga de Ourém pela Porta da Vila ou a Porta de Santarém e subir as ruas calcetadas até ao castelo, caraterizado pelas três torres e o recinto triangular
    • distinguir os estilos arquitetónicos coexistentes no centro histórico, passando pela fonte gótica e o pelourinho maneirista
    • descobrir os traços etnográficos da região na Casa-Museu de Aljustrel e no Ecomuseu do Olival

LAZER

    • compreender a engenharia dos moinhos de vento da Fazarga
    • provar os sabores tradicionais do concelho na Ucharia do Conde, em pleno centro histórico
    • passear e conhecer o Centro de Educação Ambiental na Mata Municipal António Pereira Afonso
    • merendar no Parque Linear de Ourém/António Teixeira ou no Parque de Diversões do Olival
    • relaxar junto à fonte do jardim le Plessis Trévise ou num banco do jardim D. João Venâncio

NATUREZA

    • confirmar as propriedades terapêuticas da praia fluvial do Agroal (rio Nabão)
    • explorar colónias de morcegos e galerias ripícolas nos muitos hectares do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros e do Sítio Rede Natura Sicó/Alvaiázere abrangidos pelo concelho
    • fazer um percurso pedestre e visitar o Centro de Interpretação Ambiental do Alto Nabão no Parque Natureza do Agroal

Em suma, rumar a Ourém é explorar os recantos de uma vila medieval, sentir a devoção religiosa à Virgem Maria, apreciar detalhes artísticos e etnográficos, descobrir a biodiversidade de áreas naturais classificadas, reviver o período Jurássico através de pegadas de dinossáurios e ficar revigorado com um banho nas águas do Agroal seguido de umas fatias de Bolo do Arco. O património classificado reparte-se por elementos imóveis relacionados com factos históricos e religiosos do concelho.


Quer conhecer melhor este concelho e a região do Médio Tejo?

Poderá fazê-lo durante a sua visita à Antiga Cadeia, no espaço virtual PACAD - Programa de Animação Científica Artística Digital (parceria CIMT/Câmara Municipal de Ourém).

Principais Festividades

Ao longo do ano, o concelho celebra e partilha a sua identidade:

CRIATIVA

ao organizar o Cenourém – Festival de Teatro Amador de Ourém (fevereiro a maio), a Feira do Livro (abril), o Encontro de Coros Infantis e Juvenis e o Festambo – Festival de Música e Dança (ambos em maio/junho)

DESPORTIVA

dirigida aos adeptos do motociclismo com a Prova do Campeonato Nacional de Enduro (outubro)

GASTRONÓMICA

no Festival de Gastronomia "Cozinhas do Mundo" (abril)

RELIGIOSA

através das solenidades da Semana Santa, com o Julgamento bienal do Bacalhau, a Festa da Sesta e a reconstituição teatral da Via Sacra (Páscoa), a comemoração das Aparições de Nossa Senhora de Fátima (maio, agosto e outubro) e a Festa de Santa Iria (outubro), a par de outras cerimónias e romarias

TRADICIONAL

pelos típicos festejos de Carnaval, a gastronomia e artesanato locais presentes nas Festas da Cidade (junho), a Feira dos Púcaros/S. Bartolomeu (agosto) e a Feira dos Cestos (setembro)


FONTES

CIMT - Portal do Empreendedor, Fundação Francisco Manuel dos Santos (PORDATA – Base de Dados Portugal Contemporâneo), IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, IGP - Instituto Geográfico Português (CAOP), INE – Instituto Nacional de Estatística (Censos 2011 e Recenseamento Geral da Agricultura 2009), Reorganização Administrativa de Freguesias (Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro), sites institucionais dos municípios associados e respetivas juntas de freguesia - informação recolhida em setembro de 2013.

Notícias

Prev Next

High School Innovation Summit regressa em Abril

Médio Tejo empenhado no empreendedorismo tecnológico. Depois do sucesso do ano passado, que contou com a presença de mais de 300 alunos, o High School Innovation Summit (HSIS) volta em Abril...

10-03-2017

Bibliotecas Públicas Municipais do Médio Tejo

No âmbito da cooperação das BPMT - Bibliotecas Públicas Municipais do Médio Tejo, apresentam-se os links dos catálogos online das diversas bibliotecas municipais da nossa região.

10-03-2017

CIM do Médio Tejo presente na BTL 2017

A CIM do Médio Tejo vai estar presente, à semelhança dos últimos três anos, na BTL – Feira Internacional de Turismo, entre 15 a 19 de março, na FIL em...

09-03-2017

Redução do tarifário do Transporte a Pedido

Foi aprovada alteração do tarifário do serviço de Transporte a Pedido no Médio Tejo, de modo a equiparar os preços dos bilhetes de transporte a pedido às tarifas utilizadas nos...

27-02-2017

CIM do Médio Tejo promoveu estância de Wakeboard em Düsseldorf

A CIM do Médio Tejo e a Wakeboard Portugal promoveram entre 21 a 29 de janeiro a estância de Wakeboard instalada na região do Médio Tejo nas cinco praias fluviais...

01-02-2017

Posição pública a favor da reabertura da Base Aérea Nº3

Os autarcas da CIM do Médio Tejo tomaram uma posição, por unanimidade, a favor da Reabertura da Base Aérea de Tancos na última reunião do Conselho Intermunicipal, 20 de janeiro.

24-01-2017

Mensagem de Natal da Presidente da CIMT

Mensagem de Natal da Presidente da CIM do Médio Tejo, Maria do Céu Albuquerque

22-12-2016

3.ª Reunião do CEDI

  Teve ontem lugar na sede da CIM do Médio Tejo a 3.ª reunião do CEDI – Conselho Estratégico para o Desenvolvimento Intermunicipal. A reunião contou com a presença da grande maioria...

16-12-2016

Eventos

Est-2020

sig

em rede

central-compras

transporte-a-pedido